Foi há 50 anos, mas houve um tempo em que um disco de rock significava muito mais do que uma mera compilação de canções, uma posiç...

💜
2017

Ao completar 50 anos, ‘Sgt. Pepper’s’ volta ao topo das paradas inglesas com edição comemorativa

/
0 Comments



Foi há 50 anos, mas houve um tempo em que um disco de rock significava muito mais do que uma mera compilação de canções, uma posição nas paradas de sucesso e uma sucessão de cifrões acumulados em contas bancárias – um disco poderia ser a trilha sonora de uma época ou ser ele próprio uma revolução. E nenhum outro trabalho foi tão clara e intensamente as duas coisas como o oitavo disco dos Beatles: Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, ao mesmo tempo o símbolo e o combustível, a consequência e a causa da revolução de costumes que tanto caracterizou a segunda metade da década de 1960.


 

A icônica capa do disco


Ao completar 50 anos no último dia 01 de junho – e ser relançado em uma caixa de luxo, com novas versões, sobras de estúdio e muito mais – , Sgt. Pepper’s alcançou um novo feito: chegar mais uma vez ao topo das paradas de sucesso da Inglaterra, mesmo cinco décadas depois de ser lançado.


 

Os Beatles em 1967


A história muitos conhecem: a maior banda do mundo havia recentemente dado alguns passos que mudariam a sua sonoridade, sua trajetória e a própria rotação do mundo do rock e, como não dizer, da cultura ocidental. Por conta do precário equipamento de então, e da perpétua gritaria que abafava qualquer ambição musical em suas apresentações ao vivo, os Beatles deixaram de dar shows em 1966 – um ano antes do lançamento de Sgt. Pepper’s – concentrando-se assim em realizar o que sonhavam musicalmente somente em estúdio. Os discos passavam a ser a única prioridade da banda.


 

Em estúdio, durante as gravações de Pepper’s. Acima, os quatro com o produtor George Martin; abaixo, a banda trabalhando no disco

 


Os quatro jovens de Liverpool haviam se tornado adultos, e descoberto o expansivo universo das drogas psicodélicas (o que já é possível perceber nos álbuns que antecedem Sgt. Pepper’s, como Rubber Soul e Revolver). Assim, os Beatles decidem por abrir mão da imagem e do som dos simpáticos cabeludos que cantavam o amor em rocks rápidos, para se tornarem verdadeiros artesões da música pop. Em consonância com o amadurecimento natural e a expansão de consciência psicodélica, havia a inclinação contestadora da juventude hippie de então. Da soma desses elementos nasceu Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, o mais importante disco da história do rock.


 


A ideia veio de Paul McCartney: fingir que aquele não era um disco dos Beatles, mas sim da tal banda do clube dos corações solitários do sargento Pimenta – e, com isso, libera-los para fazerem o que bem entendessem, a sonoridade e os temas que quisessem, sem precisarem corresponder às expectativas que pairavam enormes sobre o êxito comercial da maior banda do mundo. Podiam se reinventar e, munidos de bigodes, fardões coloridos, instrumentos inesperados e um grande repertório de canções, John, Paul, George e Ringo se tornaram outra banda para poderem continuar a ser de fato eles mesmos.


 


Assim, Paul sugeriu uma espécie de disco conceitual, feito fosse um grande concerto da tal banda imaginária. Como se sabe, tal ideia só foi levada a sério até a terceira faixa, mas a liberdade de poderem fazer desse trabalho o que quisessem, empurrando os limites de tudo que se esperava de uma banda ou de um álbum – de técnicas de gravação revolucionárias, passando por sonoridades, até mesmo pelo ato inaugural de incluir as letras das músicas na arte do disco – esse gesto foi levado a extremos jamais antes navegados por uma banda de rock.


 

A contracapa do disco, contendo as letras da música; a banda sabia da importância de cada detalhe na apreensão desse trabalho


O impressionante compacto contendo Strawberry Fields Forever e Penny Lane já dava o tom da direção que tomariam em Sgt. Pepper’s. Os seis meses que a banda levou para gravar o disco – tempo extraordinariamente longo para a época – fez com que a imprensa chegasse a especular publicamente sobre se a criatividade da banda havia acabado, e se o império de popularidade e o namoro com a crítica dos Beatles havia finalmente chegado ao fim. Mal sabiam eles que tudo estava apenas começando.


 

Acima, Paul, John e George Martin trabalhando em A Day In The Life; Abaixo, Paul regendo uma orquestra para essa mesma canção

 


Fortemente influenciado por Pet Sounds, dos Beach Boys – que, um ano antes, já havia começado o processo de mistura entre a música popular e erudita, e de expansão daquilo que se entendia como um disco de rock (em um dos poucos álbuns que chegam à altura de Pepper’s nesse aspecto) – o lançamento de Sgt. Pepper’s calou qualquer aspiração apocalíptica da crítica e da imprensa, que caíram de joelhos diante daquele feito em vinil. O disco traz em seu repertório não necessariamente os maiores sucessos radiofônicos da banda, mas provavelmente a mais fina e impressionante sucessão de canções em um disco de rock jamais vista, ao longo de 39 minutos e 52 segundos de duração.


 

Os Beatles na festa de lançamento de Sgt. Pepper’s


Das distorções que apresentam o tal “conceito” que permeia o trabalho na música que batiza e abre o disco, passando pela singeleza provocadora de With a Little Help from My Friends, a psicodelia lisérgica de Lucy In The Sky With Diamonds, a bela e rebelde narrativa de She’s Leaving Home, o universo experimental e circense de Being For The Benefit of Mr. Kite!, o encontro de culturas de Within You Without You (em que George Harrison coloca, sem pudores, a música indiana sob os holofotes do pop ocidental), a crítica dos costumes burgueses em Good Morning, Good Morning, até o espetacular encerramento com A Day In The Life, de John Lennon, a mais bela canção de rock já lançada – nada havia soado (e nem jamais soou desde então) como Sgt. Pepper’s.


Um detalhe fundamental para se entender a dimensão do feito – não somente comercial ou de crítica, mas também de técnicas de gravação – que esse álbum representa é o fato de uma sonoridade com tantas camadas e experiências sonoras ter sido gravada em somente 4 canais. Vale compreender que hoje, em qualquer computador, é possível realizar gravações com dezenas, muitas vezes centenas de canais. Não havia, evidentemente, computadores, efeitos ou soluções digitais, afinadores de voz, nada – tudo que soa no disco teve de ser executado manualmente à perfeição.

 

 

Algumas opções descartadas de fotos para a capa

 


Lançado em 01 de junho de 1967, o oitavo disco da banda rapidamente parecia definir o espírito de uma época através da qualidade impecável de jovens gênios no momento indecifrável em que tudo parece dar certo. Quatro vetores de criatividade em perfeita consonância, tendo por trás uma incrível equipe de produção (capitaneada pelo produtor George Martin e com as mãos e ouvidos preciosos do jovem engenheiro Geoff Emerick), que juntos, permitiram uma perfeita revolução sonora. Sgt. Pepper’s tornou-se um dos discos mais bem sucedidos da história, com possivelmente a mais icônica capa já feita. Mais de 32 milhões de cópias vendidas e 50 anos depois ele volta ao topo das paradas de sucesso na Inglaterra com sua caixa comemorativa.


 


Nos EUA, a caixa estreou em terceiro lugar (na Amazon permanecia em primeiro, dez dias depois de seu lançamento), mas ainda pode vir a chegar ao topo. Seis CDs compõem essa edição especial comemorativa do 50o aniversário do disco, reunindo uma versão remixada e remasterizada do disco original, uma versão mono exatamente como foi lançado na época, dois CDs com sobras de estúdio, takes alternativos das canções e outras raridades, além de um DVD com um documentário especial sobre a feitura e gravação do disco, e um Blu ray. Dois pôsteres encartam a caixa (um da arte original do disco, e uma reprodução do pôster do circo do século XIX que Lennon adquiriu em um antiquário e da onde tirou a letra de Mr. Kite!) e um livro exclusivo com fotos e textos compõem, por fim, essa edição de luxo.


 

O conteúdo da caixa comemorativa de 50 anos do álbum


Quando foi informado do feito de seu relançamento, mesmo cinco décadas depois, em nota oficial Paul McCartney não escondeu seu entusiasmo. “Uau! Quem imaginaria que o bom e velho Sgt. Pepper voltaria ao número um 50 anos depois? É uma grande notícia e nós estamos todos orgulhosos. Pepper é demais!”, escreveu o baixista e grande arquiteto por trás de sua concepção.


 

Paul McCartney, à época do início das gravações de Sgt. Pepper’s


A pessoa por trás do árduo trabalho de remixar o disco mais importante de todos os tempos foi Gilles Martin, filho do produtor dos Beatles, George Martin – falecido em março do ano passado. Em entrevista recente, Gilles explicou que para realizar tal tarefa, ele teve de remixar, limpar e retrabalhar cada fita gravada de cada instrumento, a fim de poder realizar uma ajuste final em estéreo à altura do disco. “É como um carro que acaba de sair da pintura. As fitas estão reluzentes. O que foi gravado em 1967 agora soa puro e cristalino – não há um chiado, nada. E com essa versão de Sgt. Pepper’s foi o que tentamos fazer – trazer o ouvinte para perto da música”, ele disse.


 


O resultado final é tão espetacular quanto controverso. A pureza e a limpeza sonora anunciadas por Gilles de fato estão lá, e é incrível ouvir a nova dimensão da estereofonia e da clareza principalmente nas vozes e no som da bateria de Ringo. Muitos fãs, porém, preferem o disco como foi lançado originalmente – seria justamente nessas especificidades da época que residiriam o charme e a originalidade única do resultado sonoro desse e de qualquer outro disco gravado nos anos 1960.


 


Seja como for, a controvérsia se soma à mística desse trabalho, e ao interesse que parece perpétuo a respeito da banda e de Sgt. Pepper’s. Trata-se de um disco destinado à história e à memória desde seu lançamento, como um preciso documento de como a criatividade e a engenhosidade humana podem criar, em seus melhores momentos, ao mesmo tempo um registro de uma época e algo que se estabelece fora do tempo, sempre contemporâneo, sempre ainda por vir, com a beleza e o carisma de uma coisa nova, mesmo cinquenta (ou cem, ou duzentos) anos depois.


© fotos: divulgação fonte via


Nenhum comentário: