slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img

Uma horta cultivada na calçada no bairro Cristo Rei, em Curitiba, foi alvo de denúncias de alguns moradores insatisfeitos, que aleg...

Curitiba autoriza cultivo de horta na calçada e prática deve ser regulamentada em breve

💜
2017


Uma horta cultivada na calçada no bairro Cristo Rei, em Curitiba, foi alvo de denúncias de alguns moradores insatisfeitos, que alegaram que ela atrapalhava a passagem e que era irregular, já que estava localizada numa área pública.

Após muita polêmica em torno da situação, o prefeito Rafael Greca recebeu Ricardo Leinig e Márcia Steil, responsáveis pela horta, para uma audiência para discutir sobre o tema. Na ocasião, para surpresa e alegria da maioria, Greca afirmou que iria pedir para suspenderem as notificações que os responsáveis haviam recebido até o momento, além de trabalhar numa nova regulamentação visando estimular este tipo de iniciativa.

 

“A agricultura urbana é uma tendência mundial, a humanidade tem que se voltar de novo para terra e para o arado”, disse o prefeito. “Se Burle Marx, meu amigo e grande paisagista brasileiro, fosse vivo, ia louvar a ideia de colocar bananeiras, ao invés de roseiras europeias, no jardim.” Para uma cidade que considerada a capital ecológica do país, não podia se esperar menos do que isso, né?!

 

 

 

 

 

 


Desde as comuns andorinhas até as mais exóticas girafas, milhares de espécies animais estão em um precipitado declínio, um sinal de...

Aniquilação biológica está em andamento

💜
2017



Desde as comuns andorinhas até as mais exóticas girafas, milhares de espécies animais estão em um precipitado declínio, um sinal de que uma era irreversível de extinção em massa está em andamento, de acordo com uma nova pesquisa.


O estudo, publicado na segunda-feira nas Atas da Academia Nacional de Ciências dos EUA, chama o atual declínio nas populações de animais de uma “epidemia global” e parte da “sexta extinção em massa em curso” causada em grande medida pela destruição humana de habitats de animais. As cinco extinções anteriores foram causadas por fenômenos naturais.

Gerardo Ceballos, pesquisador da Universidade Nacional Autônoma do México, reconheceu que o estudo está escrito em tons inusitadamente alarmantes para um trabalho de pesquisa acadêmica, mas diz que o alarme é necessário. “Não seria ético agora não falar nesta linguagem forte para chamar a atenção para a gravidade do problema”, disse ele.

O Dr. Ceballos enfatizou que ele e seus co-autores, Paul R. Ehrlich e Rodolfo Dirzo, ambos professores da Universidade de Stanford, nos EUA, não são alarmistas, mas estão usando dados científicos para respaldar suas afirmações de que declínio significativo da população e possível extinção em massa de espécies em todo o mundo pode ser iminente, e que ambos foram subestimados por muitos outros cientistas.

Método diferente

Os autores do estudo analisaram as reduções na faixa de uma espécie – resultado de fatores como a degradação do habitat, a poluição e as mudanças climáticas, entre outros – e extrapolaram para quantas populações foram perdidas ou estão em declínio, um método que eles disseram é usado pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

Eles descobriram que cerca de 30% de todos os vertebrados terrestres – mamíferos, pássaros, répteis e anfíbios – estão sofrendo declínios e perdas de população local. Na maioria das partes do mundo, as populações de mamíferos estão perdendo 70% de seus membros por causa da perda de habitat.

Em particular, ele citam os guepardos, que diminuíram para cerca de 7.000 membros; o Orangotango de Bornéu e Sumatra, dos quais menos de 5.000 permanecem; populações de leões africanos, que diminuíram 43% desde 1993; os pangolins, que foram “dizimados”; e as girafas, cujas quatro espécies agora possuem menos de 100.000 membros.

O estudo define as populações como o número de indivíduos em uma determinada espécie em uma unidade de habitat de 10 mil quilômetros quadrados, conhecida como quadratura. Jonathan Losos, professor de biologia em Harvard, disse que não estava ciente de outros artigos que usaram esse método, mas que foi “uma primeira passagem razoável” ao estimar a extensão do declínio das espécies e a perda de população.



Losos também observou que dar estimativas precisas sobre populações de animais selvagens é difícil, em parte porque os cientistas nem sempre concordam sobre o que define uma população, o que torna a questão inerentemente subjetiva.

Apesar desses problemas, Losos afirma “que é um documento muito importante e preocupante que documenta que os problemas que temos com a biodiversidade são muito maiores do que o comumente pensado”.

Os autores do artigo sugerem que as estimativas anteriores de taxas de extinção global foram muito baixas, em parte porque os cientistas estavam muito focados na extinção completa de uma espécie. Prevê-se que duas espécies de vertebrados sejam extintas todos os anos, o que os autores escreveram que “não gera interesse público suficiente” e dá a impressão de que muitas espécies não estão gravemente ameaçadas ou que a extinção em massa é uma catástrofe distante.

De forma conservadora, os cientistas estimam que 200 espécies desapareceram nos últimos 100 anos. A taxa de extinção “normal” nos últimos dois milhões de anos foi de duas espécies desaparecendo a cada 100 anos por causa de fatores evolutivos e outros.

Fenômeno global

Em vez de extinções, o artigo analisa a forma como as populações estão sobrevivendo – ou não: o desaparecimento de populações inteiras e a diminuição do número de indivíduos dentro de uma população. No geral, eles descobriram que esse fenômeno está ocorrendo globalmente, mas que as regiões tropicais, que têm maior biodiversidade, estão experimentando a maior perda em números e que as regiões temperadas estão vendo maiores proporções de perda populacional. O Dr. Ehrlich, que se tornou proeminente na década de 1960, depois de escrever “The Population Bomb”, um livro que previu o iminente colapso da humanidade por causa da superpopulação, disse que viu um fenômeno semelhante no mundo animal como resultado da atividade humana.

“Existe apenas uma solução geral, e isso é reduzir a escala da empreitada humana”, disse ele. “O crescimento da população e o aumento do consumo entre os ricos estão levando a isso”.


Ele e o Dr. Ceballos disseram que a destruição do habitat – o desmatamento para a agricultura, por exemplo – e a poluição foram os principais culpados, mas que as mudanças climáticas exacerbam ambos os problemas. A aceleração do desmatamento e a crescente poluição do carbono provavelmente piorarão as mudanças climáticas, o que poderá ter consequências desastrosas para a capacidade de muitas espécies de sobreviver na Terra.

Ceballos atingiu um tom ligeiramente mais esperançoso, acrescentando que algumas espécies conseguiram se recuperar quando algumas dessas pressões foram retiradas. Ehrlich, no entanto, continuou a tocar o alarme. “Nós estamos toxizando todo o planeta”, disse ele. Quando perguntado sobre a clara posição de advocacia que o artigo tomou, uma raridade na literatura científica, ele disse: “Os cientistas não desistem de sua responsabilidade como cidadãos de dizer o que eles pensam sobre os dados que estão reunindo “. [NY Times]

Espécie de alimento fundamental e pleno em significado, o pão possui sentido quase mágico na sua simplicidade combinada com seu del...

Este curso gratuito de pães artesanais em SP é tão concorrido que já tem lista de espera

💜
2017


Espécie de alimento fundamental e pleno em significado, o pão possui sentido quase mágico na sua simplicidade combinada com seu delicioso sabor. Fazer um bom pão (e especialmente um pão saboroso e saudável) não é, no entanto, tarefa simples: as possibilidades são infinitas (afinal, quase todo ingrediente vai bem com pão) e a diferença para se alcançar uma receita deliciosa pode estar nos detalhes. Não por acaso, o curso da Padaria Artesanal, projeto do Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo (Fussesp) é tão concorrido que possui uma lista de espera.


 

As receitas ensinadas no curso ilustram uma pequena parcela do que é possível se realizar com pães: pão de maçã, rosca estrela, pão de cenoura com recheio de goiabada, pão de mandioca com azeitonas, pão de batata com recheio de catupiry, pretzel, pão de ervas, pão caseiro com frios, pão de forma tradicional e pão de forma integral. Para participar do curso é preciso ter mais de 16 anos de idade.

 

 

Apesar da fila de espera, o curso dura somente um dia, com carga de 8 horas de estudo. As aulas são realizadas às terças e quintas-feiras, na Unidade Palácio dos Bandeirantes e no Parque da Água Branca.

 

Para maiores informações, ligue para (11) 2193-8969 / (11) 2193-8446 ou acesse o link do projeto. Então, basta aprender os segredos da alquimia do pão, e saborear essa comida que, entre o milagroso e o profano, nos alimenta e delicia desde que nos reconhecemos como pessoas.
© fotos: divulgação

A importância de Gordon Parks para a história do fotojornalismo norte-americano não se restringe às imagens que registrou. Sua tra...

Novo clipe de Kendrick Lamar homenageia a luta dos negros nos EUA recriando fotos do icônico Gordon Parks

💜
2017


A importância de Gordon Parks para a história do fotojornalismo norte-americano não se restringe às imagens que registrou. Sua trajetória foi dedicada com especial militância a respeito da questão negra, dos direitos civis e das populações mais pobres nos EUA, desde os anos 1940 até 2006, quando veio a falecer. Foi para relembrar a pungência de suas fotos e de sua própria história que o rapper Kendrick Lamar, em seu novo clipe, ELEMENT, homenageou Gordon e suas imagens.



Algumas das mais importantes e reconhecidas fotos tiradas por Gordon foram recriadas em vídeo por Kendrick – principalmente as fotos tiradas durante a época em que o fotógrafo trabalhou para a revista Life.

 

À esquerda, a foto original; à direita, um frame do video

 

Gordon Parks foi o primeiro fotógrafo negro a trabalhar para revistas da importância da Vogue e da própria Life, assim como um dos primeiros a dirigir grandes filmes em Hollywood. O clássico Shaft foi dirigido por ele em 1971.

 

A Fundação Gordon Parks tem o prazer de ver Kendrick Lamar reconhecendo a importância da fotografia de Gordon Parks enquanto trabalhava para a revista Life e honrar seu legado”, afirmou o diretor executivo da fundação, Peter W. Kunhardt Jr.


Todas as fotos © Gordon Parks

Que a audição canina é especialmente desenvolvida, isso todos sabem. Mas que alguns cães são capazes de refinar tal audição ao pont...

Cão apaixonado por música clássica rouba a cena durante concerto da Orquestra de Viena

💜
2017


Que a audição canina é especialmente desenvolvida, isso todos sabem. Mas que alguns cães são capazes de refinar tal audição ao ponto de poderem apreciar a mais fina musica erudita, isso era novidade até a última apresentação da Orquestra de Câmara de Viena, em Eféso, na Turquia.
 

 

A renomada orquestra se apresentava normalmente no 31º Festival Internacional de Izmir, quando um cachorro, sem qualquer medo do público, roubou a cena ao adentrar o palco como um astro, se aproximar de um violinista e assistir ao concerto a um metro de distância do maestro. Depois ele simplesmente deitou-se, bocejou e seguiu curtindo a música.



Não se sabe da onde veio o simpático e desenvolto cão, mas a plateia foi ao delírio com a entrada do animal, que recebeu até mesmo aplauso em cena aberta.

 

Como o grande artista que é, ele não tomou conhecimento de seu próprio reconhecimento, e seguiu perfeitamente em cena, sempre silencioso, se valendo de sua super audição para melhor apreciar a beleza da música clássica.

 

© fotos: reprodução

Não é difícil fazer uma boa fotografia em uma praia paradisíaca, mas encontrar (e registrar!) a beleza que existe em lugares banais é...

Série de imagens em lugares banais mostra a diferença que faz um bom fotógrafo

💜
2017


Não é difícil fazer uma boa fotografia em uma praia paradisíaca, mas encontrar (e registrar!) a beleza que existe em lugares banais é um trabalho para poucos. Graças a isso, o premiado fotógrafo Vijce, de Amsterdã,  se propôs um desafio: iria capturar 10 fotografias incríveis usando um lugar comum como cenário.

O espaço escolhido para as fotos foi uma entrada de metrô bastante convencional, onde é possível ver uma escada e uma escada-rolante – um cenário cinza e que dificilmente seria visto como “bonito”. Mesmo assim, o fotógrafo mostra como a beleza pode realmente estar nos olhos de quem vê.

 

 

Vijce escreveu sobre o assunto para o PetaPixel. “Para ser sincero, eu capturei as minhas fotografias urbanas preferidas nos lugares mais feios. Claro, é mais desafiador encontrar o extraordinário no ordinário… mas não é disso que a fotografia urbana trata?“, afirma ele.

O resultado do desafio é sensacional e mostra como exercitar o olhar para a fotografia é mais importante do que qualquer equipamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Todas as fotos © Vijce

No vídeo abaixo (em inglês), ele fala mais sobre o desafio:

Se você está buscando diminuir sua geração de lixo, uma boa maneira de começar pode ser justamente reaproveitando ao máximo as coisas ...

Você pode dar um destino diferente aos seus rolos acabados de papel higiênico

💜
2017

Se você está buscando diminuir sua geração de lixo, uma boa maneira de começar pode ser justamente reaproveitando ao máximo as coisas que iriam para a lixeira em sua casa. Um destes objetos para os quais raramente olhamos é o rolo de papel higiênico.

No Pinterest, porém, muitas pessoas estão mostrando que é possível reutilizar os rolinhos de diversas maneiras. Dá para fazer uma infinidade de brinquedos para as crianças, itens para decoração e até usar na organização da casa ou da mesa de escritório.

Confira abaixo diversas ideias criativas para reaproveitar esse material:


Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

A família do neozelandês Alex Hunt sempre foi fanática por tênis, e ele entrou em contato com o esporte logo aos três anos de idad...

Sem um braço, Alex Hunt é o primeiro tenista com esta condição a pontuar no ranking profissional

💜
2017


A família do neozelandês Alex Hunt sempre foi fanática por tênis, e ele entrou em contato com o esporte logo aos três anos de idade. Seu sonho de criança era ser profissional, mas havia um obstáculo: ele nasceu sem parte do braço esquerdo. 20 anos depois, Alex conseguiu seu primeiro ponto no ranking mundial.


 

O tenista, que usa uma prótese de carbono especial, com a mão adaptada para segurar a bolinha na hora do saque, venceu Christopher Cajigan, das Ilhas Marianas do Norte, em duelo válido pela primeira rodada do torneio de Guam. O campeonato faz parte da categoria Future, em que jogam atletas que estão tentando entrar no circuito profissional.


Assim, ele ganhou seu primeiro ponto no ranking da ATP, a Associação de Tenistas Profissionais. Trata-se do primeiro atleta com uma deficiência física permanente a realizar tal feito. Antes de tentar a sorte como profissional, Alex cursou faculdade na Califórnia, onde recebeu bolsa de estudos para jogar no circuito universitário norte-americano.

 

 

Alex conta que, quando era criança, o pai de uma menina reclamou com o árbitro de um jogo porque ele poderia ter vantagens graças à prótese. Ele diz ainda que seu sonho como atleta é disputar um Grand Slam, um dos quatro torneios mais importantes do tênis, mas que a principal meta é poder inspirar outras pessoas com deficiência a ver que elas são capazes de ir atrás de seus objetivos.


Todas as fotos: Reprodução