slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img

Quase metade de toda a comida do mundo acaba desperdiçada, e 40% de todo esse desperdício é composto por um alimento somente, justo o...

Cerveja reaproveita pães velhos em sua fórmula para evitar desperdício de alimentos

💜
2017


Quase metade de toda a comida do mundo acaba desperdiçada, e 40% de todo esse desperdício é composto por um alimento somente, justo o mais sagrado e essencial de todos: o pão. Para combater todo esse pão jogado no lixo, o pessoal da cerveja Toast resolveu honrar o nome da marca e fazer um brinde – literalmente: essa premiada e deliciosa pale ale inglesa é feita com pães velhos, que iriam para o lixo.
 

A palavra “toast” em inglês, quer dizer tanto “torrada” quanto “brinde”, e o nome se justifica justamente por essa peculiaridade de sua receita. A marca recebe pães que seriam jogados fora por padarias, e fabrica assim uma bebida especial para o amante da cerveja consciente. Brindar com a Toast é, portanto, ajudar a combater o desperdício.
Os pães são utilizados na fermentação da cerveja, oferecendo um sabor especial à Toast

O lucro com a venda da cerveja é todo reinvestido para a Feedback, organização ambiental dirigida por Tristram Stuart, fundador da Toast, para combater o desperdício de comida. Segundo Stuart, seu grande sonho é, paradoxalmente, poder um dia brindar o fim da sua própria cerveja. “O dia que não houver mais desperdício de pão, será o dia que a Toast deixará de existir”, ele explica, ansioso para levantar o copo para celebrar o fim do desperdício.
Tristram Stuart, criador da cerveja
 

Aos 20 e poucos anos a inglesa Kimberly Taylor vivia como uma nômade, de carona em carona explorando o mundo para ampliar seus hori...

A história da caroneira nômade britânica que se alistou para lutar na linha de frente na Síria contra o ISIS

💜
2017


Aos 20 e poucos anos a inglesa Kimberly Taylor vivia como uma nômade, de carona em carona explorando o mundo para ampliar seus horizontes. Aos poucos, começou a se interessar pelo ativismo político, e começou a colaborar, como escritora, com publicações de esquerda e pela liberdade. As caronas lhe levaram até a Síria. Além das caronas, uma coisa levou a outra, e ela agora se tornou a primeira inglesa a se juntar ao Woman’s Protection Units, ou Unidades de Proteção de Mulheres, o exército exclusivamente feminino que luta contra o estado islâmico na Síria.
 

Originalmente Kimberly planejava ficar apenas algumas semanas no país, escrevendo sobre a resistência e a revolução. Aos poucos, porém, seu interesse foi se transformando em compromisso e, depois de um ano estudando curdo, políticas locais, táticas de batalha e manejo de armas, ela passou a fazer parte do grupo de centenas de mulheres que oferecem a própria vida na luta contra o ISIS.


Seu trabalho é gravar operações milicianas e escrever relatórios de batalha, assim como fotografar e filmar as operações. Sua família só foi informada de sua decisão quando ela já estava no país, trabalhando pela causa. Ela sabe que seu trabalho ameaça intensamente sua vida, mas ela garante que, pela recuperação da cidade síria de Raqqa, o risco vale a pena.

 


Lutar como uma garota definitivamente nunca foi uma afirmação pejorativa, e cada vez mais fica claro o quanto se trata de uma afirmação de coragem e determinação para poucos – sejam mulheres ou homens. “Eu quero usar essa chance para mostrar ao mundo o que é a revolução feminina”, afirma Kimberly.

© fotos: divulgação

A Nigéria é o país com a maior população negra do mundo . Portanto, uma designer de moda que contasse apenas com modelos negros em ...

Reputada designer nigeriana homenageia sua cultura ao contar apenas com modelos negros em seus desfiles

💜
2017


A Nigéria é o país com a maior população negra do mundo. Portanto, uma designer de moda que contasse apenas com modelos negros em seus desfiles não poderia ter nascido em um lugar melhor.

A responsável pela proposta é a nigeriana Amaka Osakwe, da Maki Oh. Desde 2016, quando a marca estreou nas passarelas, o foco sempre foi representar a história e a cultura negra. Para a coleção da primavera 2018 da marca, a estilista buscou também criar um espaço rico para que as modelos negras pudessem brilhar em um mercado ainda tão dominado pelas peles brancas.


No desfile da marca realizado durante a NYFW, a Semana de Moda de Nova York, desfilaram apenas modelos negras. De acordo com a Elle, a maquiagem buscou ressaltar o tom de pele mais escuro e os cabelos das modelos foram tratados apenas com grampos dourados, para exaltar a textura dos fios. O resultado não poderia ser mais inspirador!

 

 

 

 


Foto 1: Reprodução Instagram. Todas as outras © Jason Kempin/Getty Images

A concentração de plástico no mundo é alarmante. Estima-se que cerca de 60% de todo o plástico produzido desde a década de 50 não foi...

Cientistas descobrem fungo capaz de destruir o plástico em semanas

💜
2017


A concentração de plástico no mundo é alarmante. Estima-se que cerca de 60% de todo o plástico produzido desde a década de 50 não foi reciclado e virou lixo, poluindo o meio ambiente. Algumas iniciativas já buscam reverter esse problema, como estas duas estudantes que estão criando uma bactéria capaz de comer o plástico dos oceanos. Uma solução similar foi encontrada por um grupo de cientistas que acaba de descobrir um fungo que destrói o plástico em semanas.


A descoberta faz parte de um estudo publicado pelos pesquisadores do World Agroforestry Centre na revista Environmental Pollution em junho deste ano. Os cientistas buscavam algum organismo existente na natureza que fosse capaz de destruir as moléculas de plástico, quando perceberam que o fungo Aspergillus tubingensis cumpria com essa tarefa.

O microrganismo foi encontrado sobre a superfície de plásticos em um depósito de lixo em Islamabad, no Paquistão. Uma enzima secretada pelo fungo é a responsável pela quebra de polímeros, fazendo com que o plástico seja degradado em semanas – em condições normais, o material pode demorar séculos para se decompor na natureza.


A partir da descoberta, os cientistas estão buscando maneiras de tornar o fungo mais efetivo na tarefa de destruir resíduos plásticos para que a espécie possa ser usada como uma auxiliar no combate ao acúmulo de plástico no futuro. Para saber mais, acesse o resumo do artigo (em inglês).

Foto 1: Adrian J. Hunter; Foto 2 via

Na árvore da vida, os seres compartilham características entre si que os fazem pertencer a determinadas categorias. Por exemplo, nós human...

Descobertos organismos que são diferentes de todas as formas de vida que conhecemos

💜
2017
Na árvore da vida, os seres compartilham características entre si que os fazem pertencer a determinadas categorias.Por exemplo, nós humanos possuímos uma coisa em comum com uma variedade de outras criaturas: espinha dorsal. Esta única característica compartilhada é suficiente para nos agrupar com cães, peixes e lagartos, no que é chamado de filo.Agora, pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, descobriram uma série de milhares de organismos tão únicos que não se encaixam em nenhum filo existente.


20 novos filos

Em seu estudo, os cientistas utilizaram uma técnica relativamente nova conhecida como metagenômica. Ela envolve o sequenciamento de todo o DNA na amostra de um ambiente – sujeira, água, fezes, etc – para produzir o metagenoma dessa amostra.De uma base de dados internacional de mais de 1.500 metagenomas, a equipe reconstruiu os genomas individuais de 7.280 novas bactérias e 623 novas arqueias.

Destes microrganismos, cerca de um terço eram diferentes de qualquer coisa que os cientistas já tinham visto antes, garantindo a criação de 17 novos filos bacterianos e 3 novos filos arqueanos.
“O valor real desses genomas é que muitos são evolutivamente distintos de genomas previamente recuperados”, afirma o principal autor do estudo, Gene Tyson. “Eles aumentam a diversidade evolutiva abrangida por árvores bacterianas e arqueanas em mais de 30%, e são os primeiros representantes dentro de 20 novos filos”.

Descoberta relevante

Os microrganismos são notoriamente difíceis de estudar. Os cientistas só conseguiram cultivar com êxito 1 a 2% de todas as bactérias e arqueias conhecidas em laboratório, portanto, analisá-las em suas condições naturais através da metagenômica pode ser a única maneira de estudar o resto.
E isso é importante porque, embora sejam muito pequenos, esses micróbios têm um enorme impacto em nosso mundo.




Atualmente, a resistência a antibióticos é um problema global de proporções épicas. Os micróbios descobriram como se adaptar aos remédios que prescrevemos para tratar diversos problemas de saúde, e essa resistência mata milhares de pessoas todos os anos. Novas formas de antibióticos são quase exclusivamente descobertas em bactérias e fungos, de modo que as novas espécies descobertas pelos pesquisadores australianos poderiam eventualmente ser desenvolvidas em melhores drogas efetivas contra essas “superbactérias”.

Também existem usos industriais e ambientais para micróbios, como na criação de fertilizantes para agricultura e na fabricação de corantes, detergentes e outros produtos, bem como no combate a mudanças climáticas, com bactérias que consomem carbono, por exemplo.

Fonte de conhecimento

Além dos muitos usos potenciais para esses organismos recentemente identificados, sua mera descoberta é emocionante pelo que pode nos dizer sobre o mundo em que vivemos.
“Todas as questões que temos sobre os eventos evolutivos antigos – quem foi o nosso último ancestral comum, quando ocorreu o metabolismo do metano, quando os organismos que produziram oxigênio evoluíram – podem ser melhor respondidas se temos mais genomas para olhar e uma árvore mais detalhada para estudar”, disse o pesquisador Donovan Parks ao portal New Scientist.
A pesquisa foi publicada na revista científica Nature Microbiology. [Futurism]

Se você acaba de ganhar um bebê, certamente poderá se identificar com as ilustrações de Kara, uma mãe mais conhecida por seu perfi...

Mãe ilustradora cria desenhos fofos para documentar o dia a dia com seu bebê

💜
2017




Se você acaba de ganhar um bebê, certamente poderá se identificar com as ilustrações de Kara, uma mãe mais conhecida por seu perfil no Instagram @karacandraw. Seus doodles doces e pessoais – a maioria desenhados durante a soneca de seu bebê – lhe dão uma fuga criativa da rotina de criar uma criança.

Capturando “pequenos momentos da vida“, esses desenhos destacam as pequenas e preciosas peças de vida familiar que muitas vezes sequer são vistas. Desde tentar colocar o filho James para dormir no berço a aprender italiano com ele durante as refeições, seu trabalho é delicioso, positivo e divertido – e fazem todos os dias parecerem especiais.

Sua arte ganhou muitos fãs e atenção nas redes sociais, o que a levou a começar a aceitar encomendas por peças personalizadas – fique atento à sua nova loja online se tiver interesse em apoiar seu trabalho.

Veja algumas de suas criações:

 

 

 

 

 

Imagens: Instagram

A ideia de um centro de convivência para idosos como um local triste, austero e agressivo para os mais velhos é coisa de um passado...

Vila dos Idosos propõe novo conceito de moradia para terceira idade em SP

💜
2017


A ideia de um centro de convivência para idosos como um local triste, austero e agressivo para os mais velhos é coisa de um passado sombrio e que deve ser esquecido, esquecendo junto a imagem dos terríveis asilos como única alternativa para a vida de tais pessoas. É isso que ensina a Vila dos Idosos, o primeiro projeto de locação social para idosos bancado pela prefeitura de São Paulo.


Localizado no bairro do Pari, a Vila tem 8 mil metros quadrados de área construída, com 175 moradores, vivendo em 145 apartamentos – 90 quitinetes e 55 apartamentos de um quarto, com sala, cozinha e banheiro. Trata-se de uma espécie de bairro tranquilo, conquistado depois de 12 anos de luta, e finalmente inaugurado em 2007. Hoje, a luta segue para que tal modelo se transforme em paradigma para o resto do Brasil.

 


Construído exclusivamente para pessoas com mais de 60 anos, o morador paga 10% de seu rendimento, seja quanto for, e um condomínio de mais 35 reais para viver na Vila. O idoso que consegue a vaga – através de inscrição no COHAB – ganha direito de usufruto, podendo viver por lá a vida toda, mas sem que o apartamento se torne propriedade de ninguém. Quando um morador vem a falecer, uma nova vaga passa a estar aberta.

Neide Duque Silva, uma das fundadoras e lideranças do local

A grande mudança de modelo é basear-se não no valor do imóvel ou da região, mas sim nas possibilidades e no rendimento de cada potencial morador. Não se trata de uma casa de repouso nem de asilo, mas sim de um projeto de locação social para os mais velhos. O condomínio conta com seguranças, e o valor cobrando inclui manutenção e serviços. Depois de tantos anos de contribuição e trabalho, valorar a vida de uma pessoa pelas suas possibilidades, e não pelo que impõe o mercado, é o mínimo de retribuição que a sociedade e o estado devem oferecer.

 

© fotos: divulgação

No início deste ano, o presidente norte-americano Donald Trump fez uma polêmica (novidade!) declaração sobre o tipo de roupa que as ...

Artista encontra forma perfeita de responder ao ‘pedido’ de Trump para que deputadas dos EUA ‘se vistam como mulheres’

💜
2017



No início deste ano, o presidente norte-americano Donald Trump fez uma polêmica (novidade!) declaração sobre o tipo de roupa que as deputadas e funcionárias do seu governo deveriam usar.
De acordo com o site de notícias Axios, Trump teria afirmado que as mulheres deveriam se ‘vestir como mulheres’, o que, para ele, seria usar vestidos, saias e sapatos de salto. Na época, a #DressLikeAWoman tomou conta do Twitter, com diversas imagens que mostravam mulheres realmente vestidas como mulheres – ou seja, como elas bem entenderem.

E recentemente, a artista Jet Nijkamp, de Amsterdã, na Holanda, criou uma série de ilustrações onde imaginou o próprio presidente e outros parlamentares ‘vestidos como uma mulher’. Para o projeto, Jet utilizou jornais que traziam as imagens dos presidentes, e criou o desenho da vestimenta por cima da foto.

As ilustrações participaram da edição holandesa do Nasty Women Exhibition, onde as vendas das obras são destinadas a ONGs dedicadas aos direitos das mulheres, e em breve estarão em exposição na edição britânica, que acontece de 21 de setembro a 1 de outubro em Londres. Confira alguns retratos abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Todas as imagens © Jet Nijkamp