slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img
slider img

  Para mostrar que está empenhada em empoderar a próxima geração de meninas, a Barbie acaba de lançar uma nova boneca da linha. E ela...

Barbie engenheira robótica quer que as meninas sonhem ser o que bem entenderem

💜
2019
 

Para mostrar que está empenhada em empoderar a próxima geração de meninas, a Barbie acaba de lançar uma nova boneca da linha. E ela já tem até profissão: é uma Barbie Engenheira Robótica.
Criada em parceria entre a Mattel e a plataforma de jogos Tynker, a boneca ensina programação para as crianças através de problemas de lógica e brincadeiras com montagem de blocos.

A nova Barbie busca servir de inspiração para que meninas do mundo inteiro encontrem na boneca um modelo de profissional e saibam desde cedo que lugar de mulher é na ciência – e onde mais ela quiser! As brincadeiras são voltadas para crianças a partir de sete anos e as lições de programação mostram como essa habilidade pode ser usada em diferentes profissões, ajudando desde apicultoras até astronautas.
No site da Tynker, é possível encontrar lições para aprender a programar um robô igualzinho ao que acompanha a boneca, por exemplo. Lançada no final de junho, a boneca está sendo comercializada por US$ 13,99 (cerca de R$ 55) – clique aqui para comprar.
Em conjunto com a Black Girls Code, a Mattel se certificou de apresentar a nova Barbie em quatro tons de pele, mostrando que a representatividade está em foco na empresa. Meninas que participarem de workshops promovidos pelo grupo, que incentiva jovens negras a seguir carreira na área da programação, irão ganhar uma boneca da linha.

Fotos: Reprodução Mattel

Basta um dado sobre a violência contra a mulher para entender a monstruosa dimensão do problema no Brasil: aqui, por hora, cerca de ...

Rússia, a terra da Copa, permite por lei que homens batam nas mulheres

💜
2019

Basta um dado sobre a violência contra a mulher para entender a monstruosa dimensão do problema no Brasil: aqui, por hora, cerca de 500 brasileiras são agredidas, em sua vasta maioria em casa por seus maridos. E ainda que se trate de assombrosa estatística, outros países conseguem ser consideravelmente piores – e a atual sede da Copa do Mundo, a Rússia, é definitivamente um deles. Nascer mulher, por lá, é conviver com níveis ainda mais assustadores de violência, e pior: muitas vezes com a complacência ou mesmo a concordância das autoridades e das leis.


Os dados de violência por hora na Rússia contra mulheres são quase três vezes piores que os brasileiros: por lá, enquanto acontece o primeiro tempo e o intervalo de uma partida da Copa, antes do segundo tempo começar, uma média de 1370 mulheres terão sofrido episódios de violência. E uma lei em especial ilustra a monstruosidade dos costumes e da própria constituição russa, assim como o terrível impacto que o legislativo pode causar diretamente na vida das pessoas.


A lei sobre violência doméstica na Rússia prevê que boa parte das agressões deve ser resolvida em casa, sem a interferência da polícia – a não ser que as mulheres ou mesmo as crianças sejam hospitalizadas ou estejam em estado grave de saúde. Sem ossos quebrados, sangue ou coisa que o valha, a orientação da polícia é de simplesmente conversar com o agressor, na maioria das vezes pelo telefone – ou de realmente não fazer nada. Não é incomum que casos de agressões se transformem em situações extremos de violência, assassinato ou tortura contra mulheres.


Cerca de 40% dos crimes no país são cometidos por familiares, em casa, mas as questões de gênero ou de direitos humanos são desprezadas por políticos – que vão ao extremo oposto, criando monstruosidades como a lei anti-propaganda gay ou a “lei do tapa” supracitada, ambas criadas por uma parlamentar mulher. Com a lei, se um homem der socos, tapas ou mesmo provocar cortes em sua esposa ou nos seus filhos, o máximo que lhe ocorrerá é o pagamento de uma multa de 470 dólares, e eventualmente uma detenção de duas semanas.

Yelena Mizulina, a parlamentar russa responsável pelas leis

Trata-se literalmente da legalização da violência doméstica, justificada pelos costumes, pela defesa da família, por premissas religiosas ou pelo doentio apelo popular de uma parte dos russos. Existem, claro, outras parlamentares lutando pelo direito das mulheres e dos homossexuais no país, mas a luta é ainda árdua – não há nada similar a uma Lei Maria da Penha para minimamente proteger as mulheres.

Manifestante russa contra a lei que legaliza a violência contra a mulher

E se, mesmo aqui existindo tal lei, sabemos que o caminho para uma sociedade igualitária e que puna os agressores de fato ainda é longo e distante, na Rússia o compromisso com tal abominável atraso parece ser ainda maior – numa disputa que infelizmente certos políticos brasileiros parecem comprometidos a colocar o Brasil no mesmo rumo.

Cartaz russo contra a violência
© fotos: divulgação

Se a extração e o uso de petróleo já provocam por si um terrível impacto ambiental, é também a partir dessa matéria-prima fóssil que ...

Empresa do Reino Unido constrói estradas com plástico retirado do oceano

💜
2019


Se a extração e o uso de petróleo já provocam por si um terrível impacto ambiental, é também a partir dessa matéria-prima fóssil que se fabrica o plástico que, depois de utilizado, se tornará um dos tipos de lixo mais duradouros e poluentes. Inversamente proporcional ao mal que tal ciclo é capaz de provocar ao ambiente é a brilhante solução que a empresa inglesa MacRebur encontrou para combater tal cadeia como um todo: construir estradas a partir dos resíduos plásticos retirados dos oceanos e de aterros sanitários e lixões.



Tal qual o plástico, o asfalto utilizado tradicionalmente para a feitura de rodovias também tem no petróleo sua matéria-prima. Com isso, após 18 meses de testes a fim de reutilizar as toneladas de plástico desperdiçadas como substituto do petróleo na feitura de estradas, a empresa chegou ao MR6, um “aditivo aglutinante de alto desempenho” criado a partir da mistura do plástico com betume, capaz de oferecer não só uma utilidade para todo esse lixo plástico, como também de diminuir o uso do próprio petróleo na fabricação de asfalto.

“Essa estrada é feita de lixo plástico”

O impacto é, no entanto, ainda maior: o MR6 constrói estradas até 60% mais resistentes e duradouras que o asfalto tradicional com um custo consideravelmente menor – e ainda reduzindo a presença devastadora do plástico no mar e na natureza de modo geral. Segundo os sócios da MacRebur, uma tonelada de asfalto reutiliza de três a dez quilos de resíduos, e potencialmente ainda pode ser capaz de aquecer mercados e até mesmo criar novas oportunidades de emprego ao redor da coleta e reutilização do lixo plástico.
 
Tody McCartney, um dos sócios da MacRebur

São três desafios globais resolvidos com uma só grande ideia: oferecer utilidade às milhões de toneladas de plástico dispensadas, reduzir os custos bilionários da feitura de novas estradas e ruas, e criar asfaltos mais resistentes e duradouros, reduzindo assim também os custos da manutenção e reparo de tais asfaltos.



A animação abaixo ilustra o nascimento da empresa e seu ciclo de produção – e o futuro, quem sabe, ilustrará o impacto positivo de tais iniciativas.
 
© fotos: divulgação

Em meio aos jogos da Copa do Mundo a comissão especial da Câmara dos Deputados acaba de revogar a chamada Lei de Agrotóxicos (7.802/1989), ...

Contra aprovação de ‘pacote do veneno’, Bela Gil pede constrangimento de deputados

💜
2019
Em meio aos jogos da Copa do Mundo a comissão especial da Câmara dos Deputados acaba de revogar a chamada Lei de Agrotóxicos (7.802/1989), liberando o uso de substâncias, algumas comprovadamente cancerígenas, antes proibidas no Brasil. 

O chamado ‘pacote do veneno’ tem texto base do deputado Luiz Nishimori (PR/PR), foi aprovado pelos parlamentares por 18 votos a 9 e agora depende apenas do parecer final da Câmara para entrar em vigor. Caso isso aconteça mais veneno será injetado no prato de comida dos brasileiros, gerando prejuízos não só para a saúde, mas ao meio ambiente também.
  
A notícia provocou manifestação de repúdio e revolta de entidades de defesa dos direitos humanos e contrárias ao uso de agrotóxicos e também de personalidades como o músico Caetano Veloso e a chef de cozinha Bela Gil. Usando suas redes sociais Bela, que faz parte de uma campanha contra a liberação, chamou a atenção para a geração de lucro por parte de empresários e membros do 
agronegócio. 

Para Bela Gil é preciso pressionar contra PL dos Agrotóxicos

“Com esse afrouxamento da regulamentação dos agrotóxicos no Brasil, a maior parte da população seria prejudicada porque mais veneno vai ser encontrado na mesa dos brasileiros. Muitas ações da sociedade civil são contra e também grandes instituições, como a Fiocruz, a Avisa, o INCA (Instituto Nacional do Câncer), o próprio Ministério da Saúde, o Ministério do Meio Ambiente, o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho”, completa em entrevista ao Catraca Livre.
O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Segundo levantamento feito pelo Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (INCA) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), o país ultrapassa a marca de 1 milhão de toneladas de veneno todos os anos. 

A situação é responsável pela intensificação de uma série de problemas de saúde, como o câncer inclusive para os trabalhadores que lidam diretamente com a lavoura. Para se ter uma ideia melhor dos efeitos, o Dossiê Abrasco mostrou que só no Paraná uma pessoa ingere por volta de 8,7 litros de agrotóxicos anualmente.

O Brasil é o líder em consumo de agrotóxicos no mundo
Confira o que muda de acordo com a PL dos Agrotóxicos:
– Garante o registro de substâncias comprovadamente cancerígenas;
– Revoga a atual Lei de Agrotóxicos (7.802/1989) e libera o uso ainda mais amplo dessas substâncias;
– Transfere todo o poder de aprovação ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tornando apenas consultivo no processo de avaliação e aprovação órgãos importantes, como Ministério do Meio Ambiente e Anvisa.
– Muda o termo “agrotóxico” para “pesticidas, clara tentativa de mascarar os efeitos negativos destas substâncias
– Confere registro temporário sem avaliação para aqueles agrotóxicos que não forem analisados no prazo estabelecido pela nova Lei.



Fotos: foto 1: Reprodução/Instagram/foto 2: Divulgação

  Um grupo de estudantes da Universidade de Bristol, na Inglaterra, deu um grande exemplo ao juntarem pouco mais de 1 mil libras, por v...

Funcionário de limpeza é surpreendido por estudantes com £1,500 para ver família na Jamaica

💜
2019
 

Um grupo de estudantes da Universidade de Bristol, na Inglaterra, deu um grande exemplo ao juntarem pouco mais de 1 mil libras, por volta de 5 mil reais, para viabilizar a viagem de Herman Gordon para a Jamaica. 

Aos 65 anos, o homem é responsável pela limpeza de uma das instituições de ensino mais conceituadas da Inglaterra e há tempos nutre o desejo de se reunir com os familiares em sua terra natal. O problema é que Gordon não tinha como arcar com a viagem sozinho.
“Ainda estou tremendo diante deste gesto”, declarou ao Daily Mail.  

O homem vai poder voltar para sua terra natal depois de quase 50 anos

Tudo foi viabilizado por meio do sistema de crowdfunding, ou vaquinha virtual aqui pra nós brasileiros. Ao todo foram registradas mais de 200 doações para levá-lo ao lado da mulher Denise para uma temporada de férias na Jamaica. <3

A boa ação coloca fim em uma separação que dura desde os 12 anos, idade em que Gordon, hoje com mais de 60, deixou a cidade de Kingston, no país da América Central. 

“Eu nunca vi tanto dinheiro na minha vida. Tem grana suficiente para mais de duas semanas. Estou negociando com um agente de viagem para garantir um bom contrato”, encerrou bastante emocionado.  
Em tempos de intolerância nada como gestos fraternos

Fotos: Reprodução

Recentemente, a Delta anunciou que estaria trabalhando em suas políticas de animais de assistência. A partir de agora, passageiros pode...

Companhia aérea decide proibir transporte de pit bulls e causa revolta nas redes sociais

💜
2019

https://pbs.twimg.com/media/DgZaTqiXUAAVgVs.jpg

Recentemente, a Delta anunciou que estaria trabalhando em suas políticas de animais de assistência.A partir de agora, passageiros poderão voar acompanhados de apenas um animal de assistência e os pit bulls que sirvam para este fim não poderão voar na cabine junto a seus tutores. As mudanças, anunciadas no dia 20 de junho, entram em vigor a partir do próximo dia 10, embora existam dúvidas sobre sua legalidade.


Segundo um comunicado oficial da empresa, este seria o “o resultado direto de crescentes preocupações com segurança após incidentes recentes em que vários funcionários foram mordidos“. De acordo com a empresa, uma das motivações para a restrição foi um acidente envolvendo um passageiro mordido por um cão de assistência – no caso reportado, o animal tratava-se de uma mistura entre um labrador e um pointer.


Ainda segundo os dados do comunicado, houve um aumento de 84% em incidentes envolvendo animais de assistência desde 2016. Entre os casos estão situações em que os bichanos urinaram ou defecaram no voo e mordidas. O documento não detalha, no entanto, que porcentagem de casos envolveria animais da raça pit bull, o que sugere que as novas políticas da empresa seriam baseadas apenas em estereótipos sobre a raça.

https://pbs.twimg.com/media/DgZaTqiXUAAVgVs.jpg 
https://pbs.twimg.com/media/Dgap7TIX4AAfD3_.jpg 
A medida causou revolta nas redes sociais, com diversos usuários utilizando a hashtag #BoycottDelta para demonstrar sua insatisfação. “Voar com a Delta é mais aterrorizante do que o meu Pit Bull“, declarou uma usuária. “O que há de tão ameaçador no meu Pit Bull? Dá um tempo, Delta“, diz outro tweet publicado na rede.

Confira neste link todas as informações sobre as novas políticas para o transporte de animais de assistência na empresa.

Fotos: Unsplash

https://pbs.twimg.com/media/DgQAg5GWkAEClpO.jpg

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o transtorno de ansiedade é a condição mental mais comum no mundo todo. Até 1 em ...

Lista feita por uma mulher com ansiedade ensinando o namorado a ajudá-la em caso de um ataque de pânico se torna viral

💜
2019

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o transtorno de ansiedade é a condição mental mais comum no mundo todo. Até 1 em cada 13 pessoas sofrem com isso.

O Brasil, inclusive, é o país com a maior taxa de pessoas com ansiedade: 9,3% dos brasileiros têm a condição, segundo dados de 2017.

Certamente, ansiedade constante e ataques de pânico podem perturbar a vida de uma pessoa, tornando complicada a realização das tarefas diárias mais simples.

A maioria dos indivíduos que nunca teve problemas de saúde mental, no entanto, tem dificuldade de entendê-los e de lidar com uma pessoa próxima afetada, quando esta passa por um momento ruim.

A lista viral

Foi pensando nisso que a atriz Kelsey Darragh, que possui ataques de pânico e transtorno de ansiedade, compartilhou uma lista íntima que ela escreveu para o seu namorado na internet.

A fim de ajudá-lo a entender sua condição, ela anotou 15 coisas que ele poderia fazer para apoiá-la durante um ataque de pânico. Os itens foram divididos no Twitter e logo se tornaram virais. Darragh afirmou que eles poderiam ser repostados à vontade, uma vez que podem ser úteis a muitas pessoas que sofrem de transtornos mentais semelhantes.

Caso você conheça alguém que lide com os mesmos sintomas, talvez valha a pena conversar com a pessoa sobre como você poderia ajudá-la em um nível mais específico, também, desde que você tenha abertura o suficiente para tanto.

15 coisas realísticas que você pode fazer para me ajudar durante um ataque de pânico:
  1. Saiba que eu estou assustada e não vou conseguir explicar por que, então por favor não surte ou fique irritado comigo.
  2. Encontre meus remédios, se eles estiverem por perto, e garanta que eu os tome.
  3. Exercícios de respiração vão me frustrar, mas eles são vitais. Tente fazer minha respiração sincronizar com a sua.
  4. Faça sugestões gentis de coisas que podemos fazer juntos para distrair meu pânico. Não me diga o que eu tenho que/preciso fazer, e me escute quando eu disser “não” para alguma coisa.
  5. Para pânico dissociativo: me lembre de que isso aconteceu comigo antes, e agora também vai passar! Sempre passa, mas é muito assustador quando está acontecendo, então talvez me diga algo engraçado sobre mim ou sobre nossa vida juntos. Isso vai me fazer rir ou sorrir.
  6. Goles de água podem ser úteis, mas não me diga que eu preciso comer ou beber porque, acredite em mim, eu sinto como se fosse vomitar.
  7. Continue respirando comigo!
  8. Se pudermos ir embora do lugar onde estivermos, me leve para casa.
  9. Por favor, seja muito, mas muito legal comigo. Eu não me sinto eu mesma nesse momento, fico constrangida, e já me sinto culpada por te colocar nessa situação, então por favor não fique frustrado comigo.
  10. Em alguns casos, um longo, grande e solto abraço pode me fazer me sentir segura.
  11. Me ajudar a respirar será difícil, mas é muito importante.
  12. Se a situação estiver muito ruim, por favor, ligue para minha mãe, minha irmã ou minha melhor amiga por mim.
  13. Me diga para não lutar contra o ataque de pânico, apenas deixá-lo passar. Quanto mais eu tento controlá-lo, ou você tenta, pior fica.
  14. Tente ser empático comigo. Você pode não entender o ataque de pânico, mas você me entende!
  15. Uma vez que passar, tipo horas depois, converse comigo sobre isso. Como você se saiu? O que podemos fazer da próxima vez? [BoredPanda]

  Entre 2015 e 2016, o Australian Centre registrou um aumento de 30% no número de alunos brasileiros que buscavam realizar intercâmbi...

Plataforma te ajuda a comparar preços de cursos na Austrália, país mais procurado para intercâmbios

💜
2019
 

Entre 2015 e 2016, o Australian Centre registrou um aumento de 30% no número de alunos brasileiros que buscavam realizar intercâmbio no país. Visando facilitar a vida destes potenciais estudantes, o site Spiible pretende comparar preços de diversos cursos.


A plataforma foi desenvolvida por uma startup australiana de intercâmbio e pretende auxiliar os interessados em estudar no país a tomar melhores decisões na hora de contratar um serviço. O site também disponibiliza informações sobre todos os passos necessários para quem pretende emigrar para a Austália.


Segundo a página oficial, mais de 20 mil cursos estariam disponíveis online. Para realizar a comparação, o usuário precisa criar um login no serviço e clicar nos cursos que aparecem na página inicial do site. Após aberto o descritivo de cada capacitação, basta clicar no botão comparar e o curso será adicionado a uma lista para comparação, que pode ser acessada através do menu English Courses (o recurso está disponível apenas em inglês) ou neste link.


Foto em destaque: Johnny Bhalla/Unsplash
 
Fotos 1 e 3: Reprodução Spiible/Foto 2: Matt Chen/Unsplash

Há alguns meses a credibilidade do Facebook está em xeque e Mark Zuckerberg se vê diante do maior desafio da rede social que revoluc...

Relatório revela que Facebook rastreia os movimentos do seu mouse

💜
2019
https://conteudo.imguol.com.br/blogs/190/files/2018/03/facebook.jpg

Há alguns meses a credibilidade do Facebook está em xeque e Mark Zuckerberg se vê diante do maior desafio da rede social que revolucionou a forma de se comunicar. Você sempre ouviu aquela máxima “o Facebook é gratuito e sempre será”. 

Aparentemente um ato revolucionário e que vai na contramão dos grandes conglomerados de mídia que cobram pelo acesso ao seu conteúdo, o Facebook sempre se alimentou do que ficou conhecido por tráfego de dados. Ou seja, a rede social estava se apoderando, sem permissão, de informações confidenciais dos usuários para a geração de lucros em benefício próprio. O estouro da prática ilegal, que revelou colaborações com empresas parceiras na China, fez valer a máxima de que a internet tem olhos e ouvidos.    

Agora um documento enviado ao Senado dos Estados Unidos, fruto de um interrogatório feito por parlamentares, expõe como a empresa coletava informações de seus usuários. Um dos métodos mais inusitados é a vigilância por meio de um método que acompanha o movimento do cursor do mouse na tela do computador.


Segundo matéria publicada no El País, isso dava ao Facebook a chance de controlar os movimentos e saber se a janela está aberta em primeiro ou segundo plano e também se  pessoa está navegando a partir de um computador, smartphone ou TV. Em sua defesa a companhia diz que adotou o sistema para “distinguir humanos de robôs”.

Apesar de não existirem elementos comprovando que o Facebook faça usos escusos destes dados, a notícia chama a atenção pois no passado a rede social foi alvo de acusações de uso do chamado mouse tracking para determinar quais anúncios e quanto tempo o usuário passava em cada ponto da tela.
Foto: Unsplash

Se o efeito da ação humana vem sendo devastador e aparentemente incontornável, ao mesmo tempo a própria força da natureza é capaz de ...

Para melhorar o ar, Cidade do México transforma pilares de viadutos em jardins verticais

💜
2019


Se o efeito da ação humana vem sendo devastador e aparentemente incontornável, ao mesmo tempo a própria força da natureza é capaz de transformar essa perspectiva apocalíptica em um cenário verde e melhor. É isso que prova o projeto Via Verde, que, para melhorar o ar da Cidade do México, vem transformando os pilares dos viadutos que cruzam a metrópole em jardins verticais.



Além de embelezar a própria cidade, a inovação do projeto impacta de forma profunda e a longo prazo objetivamente a vida da população mexicana. Os jardins, afinal, absorvem CO2, calor e até mesmo a poluição sonora que tanto caracteriza uma cidade grande como essa. Como se não bastasse, é comprovado que tais iniciativas reduzem o estresse e a ansiedade dos moradores.

 


 
O projeto é totalmente sustentável, com estruturas feitas de material reciclado, sistema de irrigação autossuficientes de água de chuva coletada. A seleção de plantas prioriza justamente espécies que trazem benefícios urbanos, como baixa necessidade de água e alta resistência. A ideia é que o projeto completo traga 2,2 milhões de plantas para a Cidade do México.

 



A mão de obra para a realização do projeto vem sendo feita toda como um programa de reabilitação social e trabalho para presidiários locais. O que era uma selva de concreto cinza vai aos poucos se transformando em um mar verde, trazendo benefícios para a cidade e para a população a curto e longo prazo.

 


 
© fotos: divulgação