Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu uma bactéria que consegue ingerir compostos metálicos tóxicos, e o único...

💜
2019

Esta bactéria digere metais tóxicos e gera ouro

/
0 Comments

Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu uma bactéria que consegue ingerir compostos metálicos tóxicos, e o único efeito colateral dessa “indigestão” é a produção de pequenas pepitas de ouro.

A Cupriavidus metallidurans é como uma especialista em purificação de metais preciosos.

Evoluindo para prosperar em um ambiente tóxico

Os pesquisadores já sabiam que essa bactéria podia ingerir e gerar metais desde 2009, mas não entendiam como ela era capaz de entrar em contato com tais compostos tóxicos e convertê-los na forma metálica do elemento sem nenhum perigo aparente para o próprio organismo.Depois de anos de investigação, a equipe desvendou o mecanismo pelo qual a bactéria consegue esse feito incrível.

C. metallidurans prospera em solos que contêm hidrogênio e uma variedade de metais pesados tóxicos. Isso significa que a bactéria não tem muita concorrência de outros organismos, que seriam facilmente envenenados em um ambiente desse tipo.

“Se um organismo optar por sobreviver aqui, tem que encontrar uma maneira de se proteger dessas substâncias tóxicas”, disse um dos coautores do estudo, o microbiologista Dietrich H. Nies, da Universidade de Halle-Wittenberg, na Alemanha.

Gerando ouro

A bactéria possui um mecanismo de proteção bastante engenhoso, envolvendo cobre e ouro. No ambiente em que vive, compostos contendo esses dois elementos podem facilmente entrar em células de C. metallidurans.

Para lidar com esse problema, as bactérias empregam enzimas para deslocar os metais ofensivos para fora de suas células. Para o cobre, há uma enzima chamada CupA. No entanto, se ouro entra junto com o cobre, a enzima é suprimida e os compostos tóxicos permanecem dentro da célula.C. metallidurans eventualmente desenvolveu outra enzima para resolver a questão: CopA. Com esta molécula, a bactéria pode converter os compostos de cobre e ouro em formas que são menos facilmente absorvidas pela célula.

Isso garante que menos compostos de cobre e ouro entrem no interior celular. A bactéria é menos envenenada e a enzima que atinge o cobre pode eliminar o excesso desse metal sem impedimento.Não só este processo permite que o micróbio se livre de todo o cobre indesejável, como também resulta em pequenas nanopartículas de ouro na superfície bacteriana.

Talento útil

Esse talento estranho da bactéria poderia ter aplicações práticas.Compreender como a C. metallidurans pode “gerar” pepitas de ouro significa que os cientistas deram um enorme passo para entender o ciclo biogeoquímico do ouro.Assim como outros elementos, o ouro pode passar por tal ciclo, ou seja, ser dissolvido, transformado e eventualmente concentrado novamente em sedimento.

No futuro, essa compreensão poderia ser usada para refinar metais preciosos de minérios que só contêm pequenas quantidades de ouro, algo que atualmente é muito complicado.
Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista Metallomics. [ScienceAlert]


Nenhum comentário: