Animal bizarro ganha uma nova boca a cada refeição Esta é a Hydra vulgaris , um pequeno animal invertebrado celenterado que vi...

💜
2017

/
0 Comments
Hydra 

Animal bizarro ganha uma nova boca a cada refeição



Esta é a Hydra vulgaris, um pequeno animal invertebrado celenterado que vive na água doce. Ela tem um corpo cilíndrico que mede menos de 1,3 cm, com tentáculos em uma das pontas e pequenas garras na outra, usada para se fixar em rochas ou em vegetações aquáticas. Ali, ela se alimenta de zooplâncton, crustáceos, ovos de peixe e larvas. 

O que realmente impressiona neste animal é sua habilidade de simplesmente abrir uma nova boca a cada vez que vai comer. Ela abre uma passagem em suas células e quando está satisfeita, a sela novamente. 

https://hydradevelopmental.files.wordpress.com/2013/11/6155387826_d57381a0b6_b.jpg

Agora, pela primeira vez, pesquisadores conseguiram captar o que acontece exatamente no nível celular durante este processo. 

Eva-Maria Collins, da Universidade da Califórnia (EUA) examinou a boca das criaturinhas no nível celular. Para isso, ela precisou alterar a coloração dos animais, para que fosse possível enxergar as diferentes camadas de células no tecido de seu corpo. 

https://c2.staticflickr.com/8/7696/17236346775_67d3926304_c.jpg
 
“Como a abertura da boca é tão dramática, foi sugerido que células precisam se rearranjar para permitir que a boca da hidra se abra”, explica Collins. Mas a pesquisa revelou que as células não
estavam se rearranjando, mas sim se deformando.

“Quando a boca está fechada, as células têm uma aparência arredondada. Quando ela se abre, as células se esticam dramaticamente, indo do formato arredondado para um formato elipsoide”, diz a pesquisadora. 

http://www.biowin.at/all/Tiere/bilder/hydrozoa/Hydroida/Hydra%20vulgaris/Hydra%20vulgaris02.jpg
Os benefícios de se ter uma boca temporária ainda não foram apontados. “Nesse ponto, não temos uma boa resposta para essa questão. É um estudo empolgante para o futuro”, diz ela. O artigo foi publicado no início de março, na revista Biophysical Journal. [LiveScience, Biophysical Journal]




Nenhum comentário: